glossário

Alavanca de Câmbio

Componentes utilizado para trocar as marchas de bicicletas, podem ser do tipo indexado (as marchas possuem posições pre-estabelecidas para as trocas) ou não indexado, na qual o ciclista regula o movimento para a troca. Os tipos mais usuais são “thumbshift” (sistema mais simples no qual se empurra/puxa uma alavanca para a troca das marchas), “rapid fire”, rotativos (troca-se as marchas girando), “Rapid Fire Dual Control” na qual as trocas de marchas são realizadas através dos manetes dos freios e “STI s”, “Ergopower” ou “Double Tap” são trocadores do tipo Dual Control para bicicletas de ciclismo de estrada.

Alforje

Espécie de bolsa para levar as bagagens dos ciclistas em viagens, geralmente presa nas laterais de um bagageiro traseiro ou dianteiro para distribuição do peso e manter o equilíbrio da bicicleta.

Amortecedor Traseiro

Peça da bicicleta para diminuir os efeitos da rodagem em superfícies irregulares no corpo do ciclista. Composto por uma espécie de mola e/ou amortecedor, é fixada em tipos de quadro especialmente desenhado para isso.

Andar na Roda

Expressão similar a pegar vácuo. Enquanto um ciclista pedala com a cara no vento, os demais aproveitam a ausência de resistência do vento se protegendo atrás dele.

A maior força que um ciclista tem de vencer é a resistência do ar. Cerca de 70% da energia que um ciclista gasta é para furar a camada de ar que nos envolve. Portanto, quanto mais dentro do vácuo do ciclista que vai à sua frente você estiver, melhor será seu rendimento e menos energia você gastará.

Quanto maior a velocidade que você estiver desenvolvendo, mais você sente os benefícios do vácuo. A uma velocidade de 30 km/h a economia de energia do ciclista no vácuo é de cerca de 17%, já a uma velocidade de 40 km/h o benefício para o ciclista na roda de outro é de 27%, e assim vai aumentando progressivamente. Já em pelotões grandes com várias filas de ciclistas, o benefício da economia de energia para o ciclista do meio do pelotão chega a ser de 39%. Isso explica porque em provas longas o ciclista que se desgarra (sobra) do pelotão, quase nunca consegue manter o mesmo ritmo da prova.

Aro

Peça principal de uma roda. Nele são presos os raios e é onde se colocam os pneus. A banda lateral é onde as sapatas de freio atuam.

Ataque

Aceleração rápida para adiantar-se em relação a um ciclista ou grupo de corredores.

Audax

Audax é um evento ciclístico não-competitivo e de longa distância, conhecido internacionalmente também pelo nome de “randonnee”.

Avanço

Ver mesa.

Back side walk over

Passar obstáculo empinado (manobra na modalidade bike trial).

Balança Traseira

Peça que liga o quadro (movimento central) e roda traseira.

Bar Ends

Acessório que funciona como um prolongamento do guidäo, para servir de alavanca no esforço do movimento de subida, ou simplesmente, para ser um ponto de apoio mais alto para descansar a posição de pedalar.

Bater Guidão

Andar junto, isto é, na mesma velocidade ou tempo durante treino forte ou competição.

Bermuda

Os ciclistas mais experientes procuram utilizar bermudas específicas para ciclistas, pois permitem maior compressão e conseqüente aquecimento da musculatura. Seu forro interno retira o suor do ciclista, evitando assaduras e tem proteção bactericida. Esta peça do vestuário é essencial para ambos os sexos, pode ser de lycra, cordura e outros materiais de tecnologia.

Bike

Bicicleta em inglês.

Bike Trial

Modalidade de esporte com bicicleta. Tem por objetivo transpor obstáculos naturais ou artificiais, sem colocar os pés no chão (perde pontos) ou em menor tempo.

Biker

Ciclista; ciclista em inglês.

Biomecânica

É a ciência que estuda o movimento esportivo, o gesto técnico de determinada modalidade. No caso do ciclismo, esta ciência se preocupa em estudar os movimentos do ciclista sobre a bike de forma que eles sejam aproveitados ao máximo para garantir a performance perfeita para o conjunto bike + biker.

Blocagem

Peça para a fixação das rodas pelo eixo ao quadro e garfo e de algumas abraçadeiras de selim, evitando o uso de ferramentas, tornando mais rápida e fácil sua instalação.

BMX

Ou bicicross é uma modalidade de esporte com bicicleta. Corrida em circuito fechado com obstáculos, separados por baterias e faixa etária. Surgiu no final da década de 50 na Europa e se popularizou na Califórnia no começo dos anos 60

Bob (Bunny Hop)

Manobra em velocidade que faz a bicicleta sair do chão para saltar obstáculo. Aplicado também para escalar um obstáculo na modalidade bike trial sem rampa.

Bolsa de Selim

Pequena bolsa instalada na parte inferior traseira do selim para levar ferramentas e câmara de ar durante treinos e competições.

Boss

Eixos que são usados para a fixação dos freios V-Brake e Cantilever.

Bubaca

Puxar a bike, batendo a roda traseira no obstáculo e puxar de volta para o chão (manobra na modalidade bike trial).

Cabos

Cabos são usados para acionamento dos freios e câmbios de uma bicicleta com grupo mecânico e são diferentes entre si..

Cadência

Número de pedaladas (rotações do pedivela) que o ciclista executa por minuto. Normalmente é indicado por um sensor no ciclocomputador. É normal o ciclista criar padrão pessoal de suas cadências em relação a inclinação do terreno, o que é controlado através da mudança de marchas.

Caixa de direção

Peça interna instalada no headtube do quadro e que vai proporcionar a maneabilidade do guidão.

Cáliper

Peça fixada nos suportes do quadro ou do garfo que recebem as pastilhas de freio, nos sistemas de freio a disco..

Câmara

Objeto tubular confeccionado em borracha, colocado entre o aro e o pneu. Adiciona-se ar, inflando-a, de forma a permitir a rodagem.

Câmbio Dianteiro

Mecanismo responsável pela troca de marchas na bicicleta, acionados pela alavanca de câmbio. O câmbio dianteiro realiza a passagem da corrente entre as coroas.

Câmbio Traseiro

Mecanismo responsável pela troca de marchas na bicicleta, acionados pela alavanca de câmbio. O câmbio traseiro realiza a passagem da corrente entre os anéis dentados do cassete ou da catraca.

Canela

Parte da suspensão, é tubo deslizante que trabalha em conjunto com as hastes (ou canetas) por intermédio de buchas e aloja o material amortecedor (óleo, molas, elastômeros ou ar).

Canelas ou Hastes

São os tubos que recebem as canelas e formam a estrutura convencional de um amortecedor dianteiro.

Canote de Selim

Peça que se fixa no selim para o encaixe no quadro da bicicleta. Possibilita a regulagem da altura do selim.

Cantilever

Sistema de freios com hastes acionadas por cabos de aço que apertam as sapatas (borrachas do freio), segurando as rodas. Usado nos primeiros modelos de mountain bike e ciclocross, atualmente substituído por freios a disco

Cap de ciclismo

Tipo específico de boné com aba curta que visa proteger da chuva os óculos do ciclista evitando que a lente molhada prejudique sua visão. Atualmente também usado para proteger do sol e com aba para cima, refrescar o rosto.

Caramanhola ou bidon

Garrafa de material plástico contendo água ou isotônico usada para hidratação durante os pedais. Normalmente colocada em um suporte apropriado no quadro da bicicleta.

Cassete / Catraca

Parte do sistema de transmissão e um conjunto de peças que estão fixadas na roda traseira e utilizadas para troca de marchas. É um conjunto de pinhões, afixado no cubo da roda traseira, por onde encaixa a corrente. A catraca é instalada por rosca e o cassete encaixado com contraporca.

Chain Stay

Tubo estrutural que fica na parte traseira do quadro, que liga o eixo traseiro ao movimento central.

Ciclismo

Modalidade que utiliza bicicleta com característica de ser leve, com pneus finos em asfalto.

Ciclocomputador

É o computador de bordo do ciclista e fica fixado ao guidão. Este equipamento pode informar diversos dados, como a distância total percorrida, tempo, velocidade máxima, média, hora, frequência cardíaca, potência, etc.

Cicloturismo

Atividade que utiliza a bicicleta como veículo para viajar.

Clip

Extensor de guidão, muito usado por ciclistas de triathlon e contrarrelogio para conseguir permanecer numa posição mais aerodinâmica por muito tempo.

CNC (Controle Numérico Computadorizado)

Máquina de usinagem computadorizada capaz de produzir peças com acabamento impecável em grande escala.

CO2 (Cilindro, Cápsula ou Cartucho)

Cápsula de ar comprimido descartável para enchimento de pneu em caso de furo durante treino ou competição.

Comissário

É o árbitro das competições.

Comprar terreno ou lote

Expressão difundida entre os mountain bikes quando se leva um tombo.

Compressão

Relativo à suspensão e amortecimento. Quando em repouso, a suspensão não armazena energia. Entretanto, quando sofre pressão, o amortecedor é comprimido. A força que resulta este movimento é chamada de compressão.

Conduite

Tubo de material plástico que reveste e protege os cabos de freio e câmbio.

Contrarrelógio

Prova de ciclismo onde os atletas tem que percorrer determinado trajeto em menor tempo. Geralmente os competidores largaram em intervalos de tempo entre si. Também conhecido como CRI (contrarelógio individual).

Coroa

Parte do sistema de transmissão e um conjunto de peças que estão fixadas ao pedivela no movimento central, utilizadas para troca de marchas. Esta peça é responsável pela transferência da força ao pedalar.

Corrente

Componente da transmissão formada por elos e responsável pela transferência da força aplicada no pedivela para os pinhões.

CRI

Contra relógio individual – modalidade do ciclismo.

Cromoly

Liga de aço combinado com os materiais cromo e molibidênio resultam em maior leveza e resistência do tubo.

Cross Country

Modalidade de mountain bike, para competições em pistas, onde é vencedor o atleta que percorrer o número de voltas previstas em menor tempo.

Cubo de Roda com Blocagem

O cubo é a peça do meio de uma roda, onde são presos os raios. Consiste num cartucho com rolamentos ou esferas e um eixo passando pelo meio. Este eixo é fixado no garfo (roda dianteira) ou no quadro (roda traseira) através do blocante (blocagem rápida) ou através de porcas (depende do modelo do cubo).

Curso

Medido geralmente em polegadas, é a distância percorrida pelo amortecedor durante o movimento de compressão.

Curso Negativo (sag)

É a medida que a suspensão trabalha, quando o ciclista sobe na bicicleta. Esta regulagem é importante para manter as rodas sempre em contato com o solo – no caso da bike passar por um buraco, por exemplo. Quando a roda deixa de ter contato com o solo, o SAG “empurra” a roda para baixo, pois já estava comprimida pela compressão causada pelo peso do ciclista.

Desgarrar

Aumentar a velocidade com objetivo de destacar-se dos outros ciclistas.

Downhill

É uma forma do ciclismo que consiste em descer o mais rapidamente possível um dado percurso. Necessita o uso de uma bicicleta específica para esta vertente pois a velocidade que se atinge em terrenos muito irregulares, exige bicicletas adaptadas a essas condições. Geralmente opta-se por bicicletas com suspensão total.

Downtube (tubo inferior)

Tubo estrutural que fica na parte inferior do quadro e une a caixa de direção ao movimento central.

Drop

Drop Pular de cima de um obstáculo (na modalidade bike trial).

Drop três Meia

Pular de um obstáculo, girando 360% no ar (na modalidade bike trial).

Elastômeros

Componente interno da suspensão. É um material plástico responsável pelo amortecimento. Pode fazer parte de alguns quadros de bicicletas de endurance.

Endurance

Traduzido para o português como resistência (também relacionada com o sofrimento, a resiliência) é um estilo de pedalada mantida durante um longo período de tempo, representando como característica do ciclista sua capacidade de resistir, suportar, recuperar e ser imune à fadiga. Para isso existem modelos de bicicletas específicos, que primam pelo conforto mantendo uma posição de pedalada mais ereta.

Escalador

Ciclista de estrada que tem facilidade para subir montanha.

Escapado (a)

Expressão correspondente ao ciclista em fuga do pelotão.

Espiga ou Tubo de direção

Tubo estrutural do garfo dianteiro que une o suporte de guidão ao garfo. Por suportar grandes esforços, pode ser de alumínio ou feito de ligas de aço de alta resistência.

Estrobo

Modo de funcionamento piscando da luz traseira, utilizada para sinalização e segurança do ciclista, principalmente na cidade, para visualização pelos motoristas, e nas trilhas para indicar a localização.

Fibra de Carbono

Material leve e resistente que pode ser usado na fabricação de quadros, garfos e componentes da bicicleta, possuindo diversos níveis de qualidade e preço.

Firma-Pé

Armação de plástico ou fita com velcro preso ao pedal para encaixar os pés para maior aproveitamento da força de pedalada.

Freeride

Freeride é um estilo de condução da bicicleta na terra ou asfalto. Geralmente envolve enormes descidas, saltos e obstáculos feitos pelo homem. Tem algumas similaridades com o downhill por se realizar também em descidas. As bicicletas são constituídas de peças muito resistentes e têm enormes suspensões. São bicicletas montadas para fortes embates.

Freio a Disco

Peça similar ao freio a disco dos automóveis. Consiste num disco montado no cubo da roda e um conjunto de peças chamado “caliper” (sistema do freio, burrinho, pastilhas etc) preso ao quadro (sistema traseiro) ou ao garfo (sistema dianteiro). Ao ser acionado de forma hidráulica ou mecânica (depende do tipo de freio a disco) comprime as pastilhas no disco realizando a frenagem.

Freio de aro

Tipo de freio acionado por cabo de aço através do manete de freio. Ao ser acionado, as sapatas de freio afixadas na peça entram em contato com o aro da roda, forçando a frenagem.

Front Hops

Pular na roda dianteira (na modalidade bike trial). Front hops três meia: pular girando a roda dianteira 360° (na modalidade bike trial).

Full Suspension

Tipo de bicicleta dotada de suspensão dianteira e traseira, muito utilizada em modalidades do mountain bike.

Gancheira

Local em que é fixada a roda ao quadro ou garfo. Nas bikes mais antigas é fixo, nas modernas é substituível para manutenção ou troca.

Gap

Escalar obstáculos diretamente com a roda traseira (manobra na modalidade bike trial).

Garfo

Peça que fixa a roda dianteira ao quadro, e responsável em parte para a dirigibilidade da bicicleta.

Geometria

É o resultado da associação das medidas dos comprimentos dos tubos e ângulos do quadro da bicicleta. De maneira mais detalhada e sofisticada, é necessário incluir aí todas variáveis de espessura e desenho dos tubos que serão utilizados na construção da bicicleta.

Grip Shift

Tipo de alavanca de câmbio que se localiza próxima às manoplas. As trocas são feitas com movimentos giratórios, como num acelerador de motocicleta. Marca registrada de sistema de trocador de marchas, realizado com movimento giratório.

Guarda Pó (fork boots)

Peça que protege as hastes do garfo amortecido de eventuais resíduos como poeira, lama, água…

Guia de Corrente

Peça usada em bicicletas de downhill e freeride, que alinham a corrente na (única) coroa dianteira e a estabilizam, evitando que se solte acidentalmente.

Guidão de estrada ou drop

Peça tubular fixada no garfo através da mesa.

Guidão ou Guidon

É a direção das bicicletas. Nelel são fixados os manetes de freios, os trocadores de marchas e pode ser instalado o ciclocomputador, bar ends, retrovisores, etc;

Hard Trail ou Rabo Duro

Bicicleta sem o sistema de amortecimento na suspensão traseira.

Mala Bike

Mala para acondicionar e proteger a bike, utilizada principalmente para viagens.

Manetes

Alavancas de acionamento de freios.

Manguito

Peça do vestuário, que protege apenas os braços como se fosse uma manga comprida de camisa. É usado em épocas de meia estação, quando o frio inicial de uma pedalada passa e então o biker pode facilmente removê-lo.

Manopla

Local para apoio das mãos no guidão. Pode ser de borracha, plástico, silicone ou outros materiais que combinem melhor empunhadura e apoio ao ciclista.

Mesa

Peça que fixa o guidão na caixa de direção e quadro. Elemento importante, com várias opções de comprimento e inclinação para os mais diferentes tamanhos de braços e que garante maior conforto e agressividade na condução da bicicleta.

Mountain Bike ou MTB

É um tipo de bicicleta usado no Mountain Biking, uma modalidade de ciclismo na qual o objetivo é transpor percursos com diversas irregularidades e obstáculos. Mountain Bike é um esporte que envolve resistência, destreza, concentração e auto-suficiência. Como é comum a prática do esporte em locais isolados, o aspecto de auto-suficiência é importante para que o ciclista consiga realizar pequenos reparos em sua bicicleta, e concentração por ser um esporte que exige muito do psicológico para enfrentar os diversos obstáculos.

Movimento Central

É o eixo central que fixa o pedivela. Nele são descarregados todos os impactos sofridos pela bike e pelo ciclista.

Nipple

Peça metálica que liga os raios ao aro.

Pedal

Peça que transmite força das pernas e movimenta a bicicleta.

Pedal Clip ou SPD

Pedal sofisticado, com sistema de encaixa em sapatilhas e permite maior aproveitamento da pedalada, isto é, quando uma perna está empurrando o pedal, a que está voltando também faz força e ajuda no deslocamento. Este tipo de pedal também permite maior estabilidade pois os pés estão mais seguros e estáveis.

Pedal Clipless

Tipo de pedal que contém mecanismo que prende a sapatilha. Um leve movimento libera a sapatilha do pedal.

Pedalar Redondo

Forma cadenciada e suave de pedalar.

Pedaleira ou Firma Pé

Tira para prender o pé nos pedais simples.

Pedivela

Conjunto de braços onde são instalados os pedais e coroas, unidos pelo movimento central.).

Pelotão

Grupo de ciclistas que pedalam juntos durante uma prova ou treino.

Pernito

Peça do vestuário que protege apenas as pernas. É usada em épocas de meia estação, quando o frio inicial de uma pedalada passa e então o biker pode facilmente removê-la.

Perseguição

Prova de ciclismo realizada em velódromo.

Pivô

É a peça que une duas ou mais partes de uma suspensão. Pode ser usada com buchas plásticas ou rolamentos.

Ponte ou Fazer a ponte

Esforçar-se para sair do grupo de ciclistas que se encontra até o próximo grupo à frente.

Porta Caramanhola ou Suporte de Caramanhola

Local no quadro onde se coloca a caramanhola.

Quadro

Principal estrutura da bicicleta. Existem diversas opções de tamanhos para pessoas de estaturas diferentes. Seu tamanho costuma ser medido em polegadas ou centímetros e o melhor tamanho vai depender da posição de pedalada desejada, o tamanho das pernas e braços do ciclista.

Rack

Equipamento responsável pela fixação de uma ou mais bicicletas em veículos automotores para transporte.

Raios

Pequenas peças que ligam cubos e dão sustentação para as rodas.

Rapid Fire

Sistema de transmissão que utiliza uma alavanca de passagem de marchas, acionada pelo ciclista com os dedos.

Rebound (retorno)

Relativo à suspensão e ao amortecimento. Quando comprimida, a suspensão armazena energia e “devolve” esta energia, retornando a força exercida anteriormente. Só existe retorno quando há compressão.

Relação

Combinação entre diferentes marchas que vão modificar o uso e performance do ciclista.

Rígida

Bicicleta sem nenhum tipo de suspensão.

Roda

Conjunto de peças compostas por aro, raios, cubos, eixo central.

Rotor

(BMX) peça acoplada à caixa de direção, que permite ao piloto girar o guidão, sem que os cabos se cruzem ou se danifiquem. 2. disco de freio. Disco metálico que é fixado ao cubo e breca o movimento da roda, quando acionado o freio. 3. marca de componentes de bicicleta.

Sapata

Borracha utilizada no sistema de freios.

Sapatilha

Calçado especial de ciclista. Possui uma pequena peça em seu solado que em movimento mecânico trava o calçado no pedal. Para destravar, basta uma leve torção no pé.

Scadium

Material derivado do alumínio que foi desenvolvido inicialmente para a indústria bélica, especialmente como aletas dos mísseis do MIG-29. É extremamente leve e resistente. Pode ser usado na fabricação de quadros ou pequenas peças.

Seat Tube (tubo do selim)

Tubo estrutural por onde se fixa o canote.

Selim

Também chamado de assento, sela ou coxim — é uma das três partes de uma bicicleta que ficam em contato com o ciclista. As outras são os pedais e os punhos. Ele executa o mesmo papéis de uma sela de cavalo e não suporta todo peso do ciclista, já que o divide com os outro pontos de contato. Normalmente ele é fixado em um canote e sua altura pode ser regulada enfiando-se mais ou menos o canote no quadro.

Single Track

Caminho em trilha estreita.

Sobrado

Ciclista que não conseguiu acompanhar a velocidade ou performance dos(as) companheiros(as).

Socar

Andar depressa.

Soft Tail ou Rabo Macio

Bicicleta que possui suspensão traseira com pequeno curso.

Sprint

Manobra que aumentar abruptamente a velocidade para se destacar a frente dos demais ciclistas no pelotão. Normalmente aplicado no final das provas mediante a formação de um trem de atletas da mesma equipe para embalar o sprinter.

Swingarm (balança traseira)

Peça estrutural composta por tubos, que funciona como braço oscilante em quadros amortecidos. É fixada no quadro através de pivôs ou links.

Taquinho

Componente da sapatilha. Peça para travar o calçado no pedal clip.

Top Tube (Tubo superior)

Tubo estrutural localizado na parte superior do quadro, que liga a caixa de direção ao seat tube.

Trainer ou rolo

É o equipamento que simula o movimento da pedalar, isto é, o produto estático que possui um sistema de encaixe no pneu traseiro para treinamento e pode ter diferentes níveis de esforço, é muito utilizado para treinamentos indoors ou como aquecimento para as competições.

Transmissão

É o conjunto de cambio dianteiro, traseiro e corrente.

Tubeless (sem câmara)

Tecnologia aplicada a alguns tipos de aros e respectivos pneus que podem ser usados sem câmara de ar mas com fluído selante.

Upgrade

Substituir os componentes da bicicleta: melhor qualidade, precisão e menor peso.

Uphill

Modalidade de corrida em subida.

V-brake

Sistema de freios que consiste de cabos e sapatas.

Velódromo

Local fechado para a prática do ciclismo de pista. Tem formato ovalado, com acentuada inclinação de pista que pode ser feita em madeira, saibro e cimento.